terça-feira, 19 de abril de 2016

Design na rota da cultura


Pé na estrada é a marca do Estúdio Sérgio J. Matos para nutrir o design com identidade.

O traço segue os vestígios da cultura. Envereda pela regionalidade e celebra as manifestações populares no chão de terra batida. Transita entre estandartes e bandeirolas coloridas que se agitam ao vento anunciando ritos e tradições que narram a formação social brasileira. O desenho esbarra na estética que transborda identidade, onde a miscigenação expõe a mistura de raças e costumes que só a brasilidade contém. Esboça formas elaboradas no fazer artesanal que exaltam a exclusividade gerada no calor das mãos.

Essa é a rota do design adotada pelo Studio Sérgio J. Matos. Desde que abrimos as portas à criação – em novembro de 2010 – colocamos os pés na estrada para viver experiências de um Brasil multicultural que tem muito mais a revelar além dos livros e dos cartões postais. Lançamos o olhar para o entorno - que de tão próximo torna-se invisível – e para horizontes longínquos incrustrados entre lendas e tradições de sua gente. Acumulamos assim um punhado de memórias. São paisagens, rastros da fauna, cores e texturas da flora, festas de rua, burburinhos, geografias habitadas por personagens empenhados em manter vivos os saberes e ofícios herdados dos antepassados. Artesãos de habilidades ímpares.

Todos estes elementos e referências constituem nossa bagagem. Fazem parte de um arquivo que inspira o desenvolvimento de produtos com densidade simbólica e assinatura do feito à mão. Cada poltrona, mesa, cadeira, banco, luminária, fruteira e vaso que integra nosso catálogo traduz a carga identitária da brasilidade descoberta em um momento de emoção e encantamento. Objetos que carregam laços de pertencimento, extratos regionais e conexões do passado com o presente. Design com valor patrimonial. 
Poltrona Acaú: a inspiração vem do mar, dos corais da Praia de Acaú, no litoral paraibano.
O floral da chita dá forma à Luminária Moringa.
A trama artesanal da Poltrona Caçuá celebra tradições, remete à regionalidade.
Banco Afoxê: design que ressoa a festejos de rua e ritos de fé.
A Cadeira Chita guarda memórias dos festejos forrados com o tecido popular.
Colheres de pau são a matéria-prima do Balanço Bodocongó.
A atmosfera dos festejos juninos abriga a criação da Poltrona Balão.
Banco Xique-xique:a natureza árida é terreno fértil para o design que traduz regionalidade. 
O inseto de porte elegante - presente nos tabuleiros do Nordeste - inspira design.

terça-feira, 12 de abril de 2016

O rastro de brasilidade da Cobra Coral

A explosão das cores, o gingado dos fios, a estética hipnótica, a riqueza dos detalhes que ondulam entre mitos e a força da trama artesanal. É o rastro da Cadeira Cobra Coral que figura no ambiente da sétima edição do Brazil S/A, em Milão, Itália. Sob o tema “Brasilidade para Todos”, a feira é expoente do design nacional e acontece paralelamente ao Salão Internacional do Móvel de Milão. Até o dia 17 de abril, a simbólica Universitá degli Studi di Milano vai emprestar sua arquitetura e atmosfera de tradição ao evento.
Sim! A brasilidade ancora em Milão, numa área de 600 metros quadrados e aos olhos ávidos da imprensa internacional especializada e dos milhares de visitantes que descobrem nossa criação. No caldeirão da miscigenação a fervura é da estética multicultural e transborda em objetos de mobiliário e decoração que unem o artesanato à alta tecnologia, os saberes ancestrais à contemporaneidade. É a conexão de passado e presente revestida de inovação e celebração à originalidade. Design com a identidade de muitos brasis pela singularidade regional, pelas marcas que são próprias dos designers por trás de cada peça. Os trabalhos exibem histórias, laços, memórias e narram a trajetória de uma excelência alcançada nas minúcias até converter-se em assinatura.
O Estúdio Sérgio Matos sente-se honrado em fazer parte do Brazil S/A, de uma seleção tão criteriosa que objetiva projetar o nome do design nacional aos quatro cantos. Estamos à vontade, acolhidos pela temática da brasilidade que pauta nosso percurso e alimenta – através da cultura - a criação. A cadeira Cobra Coral está inserida neste contexto. É provocativa no balé sinuoso dos fios, na leveza do aço que se dobra ao movimento e poesia, na carga simbólica que evoca lendas e ritos dos povos da floresta. O feito à mão traduz calor, como o da serpente. Exibe vestígios de uma estética considerada exótica e ousada. Bem brasileira.

A trama artesanal reveste o aço que ondula em movimentos sutis.
A arquitetura tradicional da "Universitá degli Studi di Milano" abriga o Brazil S/A

quarta-feira, 30 de março de 2016

Anatomia de um Brasil Original


No curso do design, entre as idas e vindas ao Amazonas, passo agora a me dar conta da anatomia que reveste o Projeto Brasil Original. Percebo que a iniciativa do Sebrae-AM que funde design e artesanato com a consultoria do Estúdio Sergio J. Matos é feita de corpos, corações, peles, músculos, sorrisos abertos e olhos cativantes. Envolve mais que mãos na arte de transformar a matéria-prima colhida do entorno em objetos que narram identidade.

Na originalidade deste território onde reina uma maioria de artesãs indígenas e ribeirinhas, curumins cercam mães numa natural e descompromissada imersão de saberes e ofícios. Logo, a cultura ancestral – como num passe de mágica - chegará às pontas dos dedos miúdos para difundir a herança dos antepassados. Até lá, são crianças e deixam que pés ligeiros as levem pelos leitos dos rios e caminhos da floresta. Com cabelos ao vento e peles douradas ao sol, vestem fantasias imaginárias e assumem papéis que invocam mitos da natureza sagrada. As gargalhadas livres desenham bocas de canto a canto da face, enquanto os olhos acendem chispas de uma verdadeira felicidade.

A anatomia deste Brasil Original exibe força. Ela vem do coração. O vigor está expresso no semblante de cada artesã, na contração do rosto que sinaliza concentração, na respiração serena. Também se espalha na habilidade de comandar pés e mãos no perfeito balé de fios que se entrelaçam, enquanto a voz suave não perde o tom de carinho com as crias que descansam no colo. Eretas ou não - na posição que melhor acomoda a criação - são mulheres multifacetadas donas de uma flexibilidade invejável para a lida da agricultura, do artesanato e da família. Creem que tudo está ao alcance das mãos. Basta querer. 


[English Text] 

Anatomy of an Original Brazil

In design course, between the comings and goings to Amazon, I am now, realizing the anatomy that coats the Original Brazil Project. I realize the initiative of Sebrae-AM merges design and crafts with the consultancy of Sergio J. Matos Studio is made of bodies, hearts, skins, muscles, open smiles and captivating eyes. Involves more than hands in the art of transforming the raw material, harvested from the surrounding areas in objects that narrate identity.

The originality of this territory where a majority of indigenous riverside craftswomen and kids, that surrounds mothers in a natural and uncompromising immersion of knowledge and crafts. Soon, the ancestral culture - like a magic trick - will end at their fingertips children, to spread the legacy of their ancestors. Until then, they are kids and let the quick feet take by riverbeds and forest paths. With hair blowing in the wind and Golden skins of the Sun, wear costumes and imaginary roles that invoke sacred myths. The free laughs, draws moths from corner to corner of their faces, while their eyes ignites sparks of genuine happiness.

The Anatomy of this Original Brazil shows strength. It comes from the heart. This force is expressed in the countenance of every artisan, contraction of the face that signals concentration, breathing alive. Also spreads on the ability to lead hands and feet in perfect Ballet of wires that are interwoven, while the soft voice does not lose the tone of affection with their creations resting on their laps. Upright or not - in the position that best accommodates the creation - are multi-faceted women, owners of enviable flexibility, to deal with agriculture, crafts and family. They believe that everything is within the reach of hands. Just want it to.  
Fusão de corpo, mente e coração na arte do feito à mão.
Imersão na cultura ancestral: alimento para as gerações futuras. 
Curumins: pés ligeiros e gargalhadas livres. 

quarta-feira, 9 de março de 2016

O design sinuoso e provocante da Cobra Coral


Cadeira Cobra Coral: o mobiliário pode ser provocativo e ousado. (Foto: Marcos Cimardi)
O exotismo ondula em contornos e cores. É a marca da cadeira Cobra Coral que toma assento no design ousado e provocativo. A estrutura de aço inoxidável curva-se ao efeito hipnótico do revestimento executado com corda naval nos tons da serpente. O coral, preto e branco alternam-se num balé sinuoso e deixa transparecer o cuidado de mãos habilidosas por trás do cingir artesanal.

No encosto da peça o entrelaçamento enfatiza leveza e movimento. Exalta a beleza da cobra coral que habita todo o território brasileiro, encerra mitos da floresta e serpenteia poesia na música homônima de Caetano Veloso: “Para de ondular, agora, cobra coral/ A fim de que eu copie as cores com que te adornas/ A fim de que eu faça um colar para dar à minha amada/ A fim de que tua beleza, teu langor, tua elegância/ Reinem sobre as cobras não corais”.

A peça de mobiliário guarda o posto de primeira cadeira no portfólio do Estúdio desde sua abertura, há cinco anos. Lançada durante a Paralela Móvel, a estrutura simples contrasta com o porte imponente dos sofás e poltronas e mantém em comum a assinatura têxtil da amarração feita à mão. A força das cores e toda carga simbólica e mítica que reveste as serpentes a torna instigante e orgânica. Deixa um rastro de vivacidade. 

[English Text] 


The sinuous design of Coral Snake

The exoticism curls to outlines and colors. Is the mark of the Coral snake Chair, which takes a seat on the daring and provocative design. The stainless steel structure bends to the hypnotic effect of the coating with naval rope in shades of the serpent. Coral, black and white alternate in a sinuous Ballet, suggesting a careful, skilled hand behind the stick.

In the back of the piece, the interlacing emphasizes lightness and movement. Exalts the beauty of coral snake that inhabits the entire Brazilian territory, closed forest myths and weaves poetry into music by Caetano Veloso: "Stop curls coral snake/ Now that I copy the colors you adenosine/ So that I make a necklace to give to my beloved/ So that your beauty your laziness, your elegance/ Reign on the coral snakes".

The piece holds the position of the first Chair in the Studio's portfolio since its opening five years ago. Launched during the Mobile Parallel, simple structure contrasts with the imposing of sofas and armchairs and maintains in common, textile signature of mooring. The power of colors and all symbolic and mythical of snakes makes them provoking and organic. Leaves a trail of liveliness.  
Lançamento da Cobra Coral no MuBE , durante a Paralela Móvel.  (Foto: Marcos Cimardi)
Na serralheria, o aço se dobra ao desenho sinuoso. (Foto e arte: Rennan Oliveira)
Inspiração: as cores da cobra coral são reproduzidas na amarração com corda naval. (Foto: Reprodução) 


    

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

De volta à originalidade


A fusão do design com o artesanato – essência do Projeto Brasil Original - me traz de volta ao estado do Amazonas. É como retornar à casa. Encontro amigos, braços abertos, afagos e sorrisos largos. Volto para a alegria espontânea dos indígenas e ribeirinhos, para a simplicidade pautada em riquezas que não cabem na (des)ordem da selva de concreto. Volto para respirar outros valores e a atmosfera pulsante da floresta. Me deixo oxigenar pelo verde de matizes infinitas e absorvo a energia indescritível que dela emana. Cada cor, som, sopro, reflexo, cheiro e mistério guardo como tesouros etiquetados na memória. Quero revisitá-los inúmeras vezes, sem correria, sempre que a inspiração pedir e a saudade exigir a sensação de liberdade e prazer.

Volto para onde a vida transborda em sentimentos que afloram o sentido do meu fazer profissional. A natureza múltipla em formas, cores e texturas; os saberes ancestrais revestidos de mitos e simbologias; a humanização do processo criativo que arquiteta sonhos. Não venho ensinar. Como consultor do projeto - através do Sebrae Amazonas - sou parte de um escambo onde a cultura é moeda de troca. É verdadeira, olho no olho, guiada por narrativas que ancoram valor patrimonial. Nas fibras naturais que se desdobram em objetos - no habilidoso balé do entrelaçamento artesanal - há elos de pertencimento e continuidade. Vestígios dos povos indígenas das etnias Kanamary, Marubo e Tikuna que lançaram nas cidades de Tabatinga, Atalaia do Norte e Benjamin Constant a semente do Brasil Original. Um território de descobertas inesgotáveis que não canso de aportar, de voltar num misto de ânsia e serenidade.

[English Text]


Back to Originality

The fusion of design with crafts-essence of Original Brazil Projec – brings me back to the Amazon. It is like comming back home. Met friends with opened arms, and large smiles. I back to the spontaneous joy of indigenous and riverside peoples, for the simplicity guided in richness that does not fit on the (dis)order of the concrete jungle. I back to breathe other values and the pulsing atmosphere of the forest. Leave me respire the infinity green tints and absorb that indescribable energy. Each color, sound, breath, reflex, smell and mystery I keep like treasures, saved in memory. I want to visit them repeatedly, with no rush, whenever inspiration asks me that feeling of freedom and pleasure.

I come back where the life overflows feelings that outcrops the sense of my professional duty. The nature multiplies in forms, colors and textures; the ancestral knowledge coated with myths and symbols; the humanization of the creative process, that build dreams. I am not here to teach. As the project consultant – through Sebrae Amazonas – I am a part of the barter where culture is the exchange coin. It is true, eye to eye, driven by narratives that provide equity value. In natural fibers that unfold into objects - in skilled craft - interlacing ballet there are ties of belonging and continuity. Traces of indigenous ethnicities, Marubo Tikuna and Kanamary that seeded in Tabatinga, Atalaia do Norte and Benjamin Constant Brazil Original seed. A land of endless discoveries you don't tire of the dock, back in a mixture of eagerness and serenity.
A floresta pulsa em vitalidade e fornece matéria-prima e inspiração.

O verde da maior floresta do mundo abriga outros tons. 
O Projeto Brasil Original configura troca de experiências e conhecimentos.
A fusão do design com o artesanato arquiteta sonhos de gente de fibra. 


sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Brasilidade na Maison & Objet, em Paris

Torre Eiffel, em Paris (Foto: reprodução)
O fio da cultura me traz à Maison & Objet, um dos mais importantes eventos internacionais do design e decoração. O convite me coloca na edição de Paris, no ciclo de conferências que entre os dias 22 e 26 de janeiro expõe o design que move o cenário mundial. Sob a perspectiva da criação pautada no entorno, na identidade local e no fazer artesanal carregado de minúcias, vou compartilhar com os designers Kenneth Cobonpue (Filipinas) e Gaël Manes (França) experiências que nos unem e nos tornam diversos - a um só tempo – pelo traço forjado nas nossas histórias e memórias.

Para esta conversa trago um elemento que aglutina e simplifica respostas às mais diferentes questões sobre o que inspira e reveste o meu processo criativo: a cultura é matéria-prima essencial. É o Brasil mestiço, da fusão dos povos colonizadores, que dá morada ao desenvolvimento das peças de mobiliário e decoração que sobrepõem forma e função com densidade simbólica. Bagagem material e imaterial resistente ao tempo e presente nas manifestações, artes e ofícios populares. A identidade brasileira é a bússola que orienta e sublinha o perfil do Estúdio com produtos que celebram o feito à mão, os saberes ancestrais, o calor humano, a regionalidade contida nas formas, cores e texturas.

Quero referendar como as técnicas artesanais revestem a nossa produção e como o Estúdio – de forma permanente - alarga horizontes e amplia contatos com artesãos que detêm saberes herdados de seus antepassados. O processo produtivo está alicerçado na troca de experiências. É mais que executar formas. Constitui uma imersão na realidade local, na atmosfera que envolve cada etapa com histórias de quem deixa na peça o olhar cuidadoso, o calor das mãos. O produto final é narrativa. Conta recortes da nossa formação social e histórica, exalta materiais do entorno e do cotidiano, ressuscita laços de pertencimento. A originalidade é a brasilidade, o valor patrimonial. 

[English Text]


Brazilianness at Maison & Object in Paris

The culture wire brings me to Maison & Objet, one of the most important design and decoration international event. The invitation puts me in Paris, in the cycle of conferences between 22 and 26 January exposes the design that moves the world. From the perspective of creation based on the environment, on local identity and do craft loaded with minutiae, I will share with the designers Kenneth Cobonpue (Philippines) and Gaël Manes (France) experiences that unite us and make us different, by the trace forged in our stories and memories.

For that conversation, I brought an element that unites and simplifies answers to many different questions about what inspire me and is my creative process: the culture is an essential raw material. Brazil is mestizo, from the merge of settlers peoples, which address the development of pieces of furniture and decoration that overlap form and function with symbolic density. Material and immaterial luggage, which resists the weather and presents in demonstrations, arts and crafts. The Brazilian identity is the compass that guides and underlines the Studio profile products that celebrate the handmade, the forgotten ancestors, and the warmth, the regionality contained in the shapes, colors and textures.

I want a referendum on how artisanal techniques are our production and as the Studio, permanently, broadens horizons and expands contacts with artisans who holds knowledge inherited from their ancestors. The production process is based on Exchange of experiences. It's more than execute forms. Is an immersion in the local reality, in the atmosphere that involves each step with stories of who leaves in the play the careful look at, the heat of your hands. The final product is narrative. Account of our social training clippings and historical materials of the surroundings and exalts the everyday, resurrects ties of belonging. Originality is the Brazilian way, the heritage value.
A Maison&Objet é um dos mais influentes eventos internacionais do design e decoração.
A Poltrona Balão exalta a identidade regional e o feito à mão que pauta o conteúdo da nossa palestra.


sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Cenografia no tom da cultura

O algodão colorido é trama e tom da cenografia do Salão de Artesanato da Paraíba.


O algodão colorido orgânico é o fio condutor. A pluma que já nasce em tons terrosos empresta seu valor patrimonial à cenografia do XXIII Salão de Artesanato da Paraíba. O projeto idealizado pelo Estúdio Sérgio J. Matos faz uma intrincada tessitura de elementos que remetem à cadeia produtiva, desde os campos áridos do agreste do Estado ao fabrico de têxteis com representação expressa nos teares de engrenagem artesanal.

O ponto de partida conceitual da cenografia rememora o ciclo do “ouro branco” na história econômica e social do Nordeste, onde a Paraíba desempenhou papel de relevância no século passado. É o passaporte para adentrar no universo da recente ascensão do algodão colorido como símbolo de sustentabilidade e matéria-prima de produtos do novo luxo no mercado internacional. A inspiração está ancorada no valor patrimonial do produto - com certificação de Indicação Geográfica concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) - e cultiva referências culturais, históricas e territoriais que o tornam genuinamente paraibano. 

A ambientação do hall de entrada convida a uma imersão na trama do algodão colorido. Fios entrecruzados revestem o teto e as paredes laterais e simulam uma grande peça têxtil recém saída do tear exposto na porta principal. No jogo de luz e sombra, manequins flutuam com a coleção da marca Natural Cotton Color. Na área de descanso, a atmosfera é a dos antigos armazéns de algodão. As sacas de plumas empilhadas dão vida a sofás e a iluminação intimista traduz aconchego.

Como em um caminho inverso ao da cadeia de produção, o roteiro do Salão termina na plantação imaginária do algodão, onde galhos vermelhos suspensos cobrem a praça de alimentação. É o espaço para as coisas que brotam da terra, que têm sabor de cultura e alimentam corpo e alma com histórias e saberes ancestrais. Coisas de gente genuína e de fibra, como o próprio algodão que dá o tom à cenografia do maior evento da arte popular na Paraíba. 

[English Text]


Scenography at the culture tone

The colorful organic cotton is the guiding wire. The plume that is born in earthy tones lends its heritage value to the scenography of the Paraíba Craft Salon XXIII. The project conceived by Sergio J. Matos Studio makes an intricate mixture of elements that refer to the production chain, from the arid fields of the State the manufacture of textiles with representation expressed in artisanal gear looms.

The conceptual starting point of the exhibition design recalls the cycle of "white gold" in economic and social history of the Northeast, where the Paraiba played a role of relevance in the last century. Is the Passport to enter the universe of the recent rise of colorful cotton as a symbol of sustainability and raw material for new products in the international market. The inspiration is anchored in the equity value of the product - certification of geographical indications granted by the National Institute of Intellectual Property (INPI) - and nurtures cultural, historical and territorial references that make it genuinely Paraíba born.

The ambiance of the lobby invites you to an immersion into the colorful cotton plot. Interwoven strands lining the ceiling and sidewalls, simulating a large textile piece fresh, out of the loom above the front door. In a game of light and shadow, dummies floating with the collection of Natural Cotton Color mark. At the rest area, the atmosphere is that of the old cotton warehouses. The bags of pilled plumes give life to sofas and intimate lighting translates coziness.

Like in an inverse path of the production chain, the script of the Saloon finishes on the imaginary plantation of the cotton, where suspended red branches cover the food court. It is the place of the things that springs from the earth, which has the flavor of the culture and feed body and soul with stories and ancestral knowledge. Things of genuine and fiber people, like the same cotton fiber, making the tone of scenography of the main event of popular art of Paraíba.
Manequins flutuam com coleção de roupas produzidas com o algodão colorido da Paraíba.
As sacas de algodão, como em um antigo armazém, dão vida aos sofás da área de descanso.
Na área de descanso as luminárias com fio de algodão colorido criam ambiente intimista.
Os galhos vermelhos suspensos no teto da praça da alimentação simulam campos de algodão.


quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

A força do feminino na floresta

Rosa Ayambo, da etnia Tikuna no Amazonas: artesã e guardiã da floresta. 
Sigo navegando no Projeto Brasil Original Amazonas. Ao fim de cada viagem repito o mesmo rito: desfaço bagagem, guardo aprendizados, arrumo memórias e desato reflexões sobre minhas andanças. Ainda tenho em mente o curso do Rio Solimões que recentemente me levou à cidade de Benjamin Constant. Na tríplice fronteira onde Brasil, Peru e Colômbia se confundem em linhas tênues da geografia, vi como estas nações se encontram sob o mesmo manto verde da Floresta Amazônica. Imponente, é o ponto de convergência que abriga o vigor e poder da natureza. É também, casa e fortaleza de mulheres guerreiras que com sabedoria ancestral tiram dela o sustento, a matéria-prima para o artesanato e acalantam sonhos com a mesma resistência das tradições e mitos que se propagam entre as gerações.  
    
A mais de 1.100 quilômetros de Manaus - depois de percorrer outras etapas do projeto pelo Alto Rio Negro - descobri que a floresta é habitada por verdadeiras divindades. Entre elas, Dona Rosa Ayambo, indígena da etnia Tikuna que vive na Comunidade de Porto Cordeirinho, em Benjamin Constant. Ela que afetuosamente presenteou a mim e a equipe do Sebrae Amazonas com um canto de boas-vinda, nos estendeu os braços, alargou o sorriso, apresentou as trilhas materiais e imateriais que conduzem às riquezas encerradas naquele território sagrado. Como conter a emoção diante de tanta generosidade? Impossível não se deixar hipnotizar e surpreender ante a alegria de alguém que aos 87 anos acorda às 5h da manhã para desbravar a floresta, cortar a fibra de arumã (palmeira alta e de difícil acesso) e retornar à casa no início da noite. Sou grato por estas lições, pela oportunidade de vivenciar cada detalhe destas experiências.

Fazendo este percurso onde design e artesanato se entrelaçam sob a aura da cultura original, percebo como a força do feminino marca a organização destas comunidades, semeia a essência da delicadeza e cultiva o respeito em conexão com a floresta. Elas atendem por Rosa, Neusa, Clementina. São de Benjamin Constant e Atalaia do Norte. Guardam a ancestralidade das suas etnias Tikuna, Marubo e Kanamary e acreditam na manutenção dos ritos e na força do trabalho. Usam cocares e pinturas corporais como símbolos de identidade e orgulham-se das técnicas ancestrais e do exotismo do feito à mão. São “amazonas”, guerreiras filhas da Terra e da Lua, retratos de um Brasil Original. Sou “curumim” e tenho muito a aprender com elas.  

[English Text]

The Feminine Power in the forest

I follow sailing at the Original Amazon Brazil Project. At the end of every trip, I repeat the same rite: undo my baggage, keep learning, fix memories and start reflections on my wanderings. I still have in mind the Solimões River, which recently took me to the town of Benjamin Constant. In the tri-border area where Brazil, Peru and Colombia are tenuous lines of geography, I saw how these Nations under the same green mantle of the Amazon rainforest. Impressive, is the point of convergence that houses the force and power of nature. It is also, home and fortress of female warriors who wisely take the ancestor livelihood for their own, the raw material for handicrafts and enhance dreams with the same strength of the traditions and myths that propagate between the generations.

More than 1100 km of Manaus-after walking through other milestones by the Rio Negro - I found that true deities inhabit the forest. Among them, Mrs. Rosa Ayambo, of the indigenous ethnicity Tikuna living in the community of Porto Cordeirinho, in Benjamin Constant. She, affectionately, presented Sebrae Amazonas and me with a welcome corner, we extended the arms, extended the smile, presented the material and immaterial tracks which lead to riches ended in that sacred territory. How to contain the excitement before this generosity? Impossible not to hypnotize and surprise to the joy of someone who is at 87 years old, wakes up at 5:00 in the morning to clear away the forest, cut the fiber of arumã (high and difficult to access) and return to the House in the early evening. I am grateful for these lessons, for the opportunity to experience every detail of these experiences.

Doing the route where design and craftsmanship are interwoven in the aura of the original culture, I understand how the female force marks the organization of these communities, sow the essence of delicacy and cultivates the respect in connection with the forest. They are called Rosa, Neusa, Clementina. Are from Benjamin Constant and Atalaia do Norte. They keep the ancestry of their Tikuna, Marubo, and Kanamary ethnicities, and believe in the maintenance of the rites and in the work force. Wear headdresses and body painting as symbols of identity and are proud of the ancestral techniques and exoticism of the handmade. They are "Amazon", warriors daughters of the Earth and the Moon, portraits of a Brazil Original. I am "curumim" and have much to learn from them.
Clementina faz do artesanato com matéria-prima da floresta geração de renda para a família.
Nas Comunidades indígens as mulheres preparam os ritos de pintura corporal.
Lado a lado com a artesã da etnia Tikuna e muito para aprender sobre a cultura ancestral. 

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Descubra o Brasil Original

Barcelos, cidade às margens do Rio Negro, no Amazonas.

Há um Brasil a ser descoberto. O território de paisagens paradisíacas convida a outros ancoradouros com tons e matizes que se entrelaçam à riqueza da fauna e flora. É um Brasil Original - com a trama da miscigenação - onde sua gente é sua identidade, o maior patrimônio. Mistura de raças, enlaces de línguas, ecos de sotaques, profusão de ritos e tradições. Saberes, ofícios e heranças que o tornam ainda mais precioso.

Oxigenado pelo manto verde da floresta e banhado por rios caudalosos, o Brasil Original carrega digitais ancestrais. Está mapeado nas mãos de artesãos amazonenses que habitam comunidades indígenas e ribeirinhas das cidades de São Gabriel da Cachoeira, Barcelos, Manaus e Tefé. Homens e mulheres orgulhosos de suas origens culturais formatam na fusão do design com o artesanato objetos inspirados em recortes do entorno, elaborados sob a tessitura das histórias que transitam entre o real e imaginário.

A matéria-prima vem da natureza que os abraça: fibras vegetais colhidas, tingidas e entrelaçadas obedecendo memórias. Piaçava, uambé e tucum estruturam vasos, fruteiras e luminárias. Cada peça exalta o vínculo com a floresta na estética que evoca o cotidiano e as crenças seculares. Para além da forma e função, os objetos são códigos. Emitem o calor da execução, o brilho dos olhos de artesãos que sonham em alargar horizontes sem perder os laços de pertencimento. São elos. Unem a alma e o coração dos indígenas e ribeirinhos, aninham ancestralidade e narram o exotismo da cultura mestiça. A trama de força hipnótica revela uma gente de fibra, a raiz da brasilidade. Descubra.

[English Text]

Discover the Original Brazil

There are an undiscovered Brazil. The territory of paradisaical landscapes invites the other roads with shades and hues that intertwine the richness of fauna and flora. Is an Original Brazil-with the plot of miscegenation-where your people are your identity, a great asset. Mixture of races, languages, links from echoes of accents, profusion of rites and traditions. Knowledge, crafts and inheritances that make it even more precious.

Oxygenated by the green forest cloak and bathed by rivers, the Original digital loads Brazil ancestors. Is mapped into the hands of artisans people, inhabiting coastal indigenous communities and the cities of São Gabriel da Cachoeira, Barcelos, Manaus and Tefé. Men and women proud of their cultural origins in the fusion of design format with handicraft objects inspired by the surrounding images, drawn up under the stories that move between the real and imaginary.

The raw material comes from nature that embraces: harvested vegetable fibers dyed and intertwined obeying memories. Vases and lampshades are conceptualized with piassava, uambé and tucum fruit. Each piece celebrates the bond with the forest on aesthetic that evokes the daily lives and secular beliefs. Beyond form and function, the objects are codes. Emit the heat from running, the gleam in the eye of artisans who dream of extending horizons without losing the ties of belonging. It are linked. Join the heart and soul of the indigenous and bordering, nest ancestry and narrate the exoticism of the mestizo culture. The plot of hypnotic force reveals a people of fiber, the root of all things Brazilian. Discover.









quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Tempo de celebração no Estúdio

Equipe Estúdio Sérgio J. Matos: em festa com o aniversário de cinco anos.

A celebração é o que me move e agradeço ao tempo. Hoje, o Estúdio Sérgio J. Matos chega ao quinto ano de existência. Alcança esta marca abarrotado de histórias nutridas por sonhos, desejos e crença no Design que referencia identidade. A trajetória tem a singularidade das tramas tão presentes nas criações desta casa: ata laços, envolve memórias e resgata saberes ancestrais. Pontua a originalidade que contrasta com o universo tecnológico e exalta o luxo artesanal, em peças únicas que abrigam calor humano e valor patrimonial.

O Estúdio tem essa aura de tear. Não só pela estética dos produtos com assinatura têxtil, mas pela engrenagem que tece o fio da história e da cultura que transborda no caldeirão da miscigenação. Uma tessitura feita a muitas mãos, de forma colaborativa. O Estúdio não se restringe a um nome. É uma equipe e cada peça de mobiliário e decoração leva em sua essência um pouco de cada integrante. Da inspiração ao produto final são muitas etapas: é preciso pesquisar, esboçar, projetar, moldar, forjar, estruturar, soldar, tramar, pintar, embalar, conferir, despachar. Ufa! Há muita troca envolvida para fazer acontecer, para construir a imagem do design que busca afirmação pela identidade e densidade simbólica.

Toda a energia envolvida produz frutos. Vieram os prêmios nacionais e internacionais como o Design Excellence Brazil (Poltrona Balaio, Banco Xique-xique e Pufe Carambola, em 2011); if Product Design Award (Pufe Carambola, Alemanha, em 2012) e Be Open (2014). Traduzem o reconhecimento e impulso para seguir na rota da cultura como matéria-prima primordial. Neste cenário, a imprensa nacional especializada abriu portas, quis inteirar-se, acompanhar e dar visibilidade à participação do Estúdio no movimento que projeta o design brasileiro dentro e fora de suas fronteiras. Sou grato pela atenção, pelos espaços concedidos, por cada palavra elogiosa no roteiro dessa jornada.

A trama do trabalho também descortina caminhos para as consultorias. Uma vertente de transformação social no berço de comunidades artesãs incrustradas nos lugares mais longínquos. Através delas, o Estúdio lapida experiências fortalecidas na troca do conhecimento. A fusão do design com o artesanal esboça nosso horizonte e alarga a percepção para projetos assentados na herança dos antepassados. Até aqui o sentimento é de satisfação. O “tear” da criação alimenta o desejo de seguir entrelaçando memórias, emoções, histórias, sonhos e tradições. Nossa gratidão a todos que nos deram as mãos nessa urdidura.


[English Text] 

Time of celebration at the Studio

The celebration is what moves me and I appreciate the time. Today, the Studio Sergio J. Matos arrives in the fifth year of existence. Reach this mark crammed full of stories nurtured by dreams, wishes and belief in Design that references identity. The trajectory has the uniqueness of plots so present in the creations of this House: make ties, involves memories and rescue knowledge. Punctuates the originality that contrasts with the technological universe and exalts the luxury craft, in unique pieces that harbor human warmth and heritage value.

The Studio has this aura of loom. Not only the aesthetics of the products with textile signature, but by the gear that weaves the history and culture that overflows into the cauldron of miscegenation. A texture made by many hands, collaboratively. The Studio is not restricted to one name. It is a team and every piece of furniture and decoration takes in its essence a little of each. From inspiration to final product are many steps: search, sketching, designing, casting, forging, structuring, welding, screwing, painting, packing, checking, dispatching. Phew! There is a lot of exchange involved to make it happen, to build the image of a design that seeks affirmation by the identity and symbolic density.

All the energy involved produces gains. The national and international awards like the Design Excellence Brazil (Balaio armchair, Xique-Xique and Carambola Pouf, in 2011); If Product Design Award (Germany, Carambola Pouf in 2012) and Be Open (2014). Translate the recognition and impulse to follow the route of culture as raw material. In this scenario, the national specialized press opened doors, wanted to know, follow and give visibility to the Studio's participation in building the Brazilian design, both inside and outside its borders. I am grateful for the attention, spaces for each word in the script of this complimentary journey.

The plot of the work also reveals paths for the consultancies. A strand of social transformation in the cradle of impurities in the most far-flung craftswomen. Through them, the Studio teaches experiences strengthened by the exchange of knowledge. The merger with artisan design outlines our horizon and extends the perception for projects carried on heritage of ancestors. Until now, the feeling is satisfaction. The "loom" creating feeds the desire to follow intertwining stories, memories, emotions, dreams and traditions. Our gratitude to all who have turned their hands in this warp.
Pufe Carambola: prêmio if  Product Design Award - Alemanha 2012.
Banco Xique-Xique: prêmio Design Excellence Brazil 2011.
Projeto Brasil Original: consultoria através do Sebrae Amazonas às comunidades indígenas e ribeirinhas.
Poltrona Acaú na capa do Anuário Caras de Decoração 2015.
Produtos do Projeto Brasil Original no Anuário de Tendêncis da Casa Claudia 2016.
O Estúdio Sérgio J. Matos celebra cinco anos e materializa na criação a identidade brasileira.